Friday, August 21, 2015

O mar dos murmúrios / Tim Bowler


Este livro conta-nos a história de Hetty, uma adolescente capaz de ver enigmáticas figuras nos vidros que o mar molda.  Certo dia, um pequeno barco naufraga na inóspita ilha onde reside, tendo como sobrevivente uma mulher idosa, que Hetty reconhece das suas "visões", mas que é vista como portadora de desgraça pela restante população.

Nem sei muito bem o que dizer. A história pareceu-me sem sentido e em alguns momentos muito aborrecida. O desfecho não me convenceu e odiei o final. Acho que só não desisti porque, apesar de tudo, está bem escrito.   A forma como o autor descreve a ilha e a intempérie que a atormenta fez-me sentir a força da natureza, o que me agradou sobretudo devido à minha paixão pelo Inverno, por tempestades e regiões quase selvagens. Apenas por isso ficou a vontade de experimentar outro livro do autor.


Wednesday, August 12, 2015

Adorable!

Se pudesse escolher um país onde viver, seria com certeza Inglaterra. Estive em Londres em 2011 e, apesar das altas expectativas, que geralmente dão origem a grandes decepções, fiquei maravilhada. É a minha cara! Adoro as casas em tijolo, os jardins e o tempo cinzento, que faz realçar o verde dos parques gigantescos que estão espalhados por toda a cidade, fazendo esquecer que nos encontramos, de facto, numa grande metrópole. Com tanto para ver e tão pouco tempo, ficou o desejo de regressar e explorar o resto do país.

Hoje, ao ver a notícia de que a casa da escritora Enid Blyton está à venda (para quem tenha a módica quantia de... 1,85 milhões de libras - 2,6 milhões de euros), lembrei-me deste meu amor inglês e, sobretudo, do que falhou nessa viagem: visitar Bath e a casa museu da escritora Jane Austen.

Quando o puto estiver mais crescido, é rumar de novo a Londres, ficar por lá um dia para visitar o parque temático do Harry Potter e seguir para Bath, onde quero fazer um dos diversos roteiros que existem sobre a escritora mais acarinhada dos ingleses.

Mas voltando à notícia, já viram construção mais amorosa? Dá vontade de me sentar à secretária e começar imediatamente a escrever um conto de fadas! Não admira que a melhor literatura de fantasia tenha nascido neste país.



http://www.dn.pt/inicio/artes/interior.aspx?content_id=4722302


Saturday, August 8, 2015

A loja dos suicídios / Jean Teulé

Num futuro onde a terra está a sofrer as consequências de uma economia pouco sustentável, a depressão parece ter tomado conta de todos, sendo a taxa se suicício altíssima. A Loja dos suicídios, ao cuidado da família Tuvache, garante: "Se a sua vida foi um fracasso, connosco a sua morte será um sucesso!".
 
Na pequena loja com ares de morgue, qualquer desesperado pode encontrar a forma de suicídio mais adequada, havendo para todos os gostos... e bolsas.
 
Mas porque toda a família tem a sua ovelha negra, o terceiro filho do casal vem romper com uma longa descendência de depressivos crónicos, atrevendo-se a sorrir e a ser feliz!
 
Só para terem uma ideia, deixo-vos esta passagem:
 
"- Alan!... Quantas vezes será preciso dizer? Não se diz «Até à vista» aos fregueses que saem daqui - Diz-se «Adeus», pois nunca mais voltam. [...] - E pára de cantarolar - e imita-o: - «Bom diiiiia» quando entram pessoas. Deve dizer-se com ar lúgubre: «Mau dia, minha senhora...» ou: «Desejo-lhe uma grande noite, senhor.» E sobretudo, deixa de sorrir! Queres afugentar os fregueses?... Mas que mania é essa de receber as pessoas a fazer olhinhos e com os dedinhos de cada lado das orelhas? Achas que os fregueses vêm cá ver o teu sorriso? É insuportável, mas que coisa.Vamos pôr-te um aparelho ou mandar operar-te!".

Já me disseram por diversas vezes que tenho um sentido de humor bem negro, pelo que não poderia deixar de apreciar bastante esta leitura. A ideia de partida é excelente e original, e o livro dá vontade de rir muitas vezes, pelo menos até metade da história. Mas porque o humor está sempre montado na tragédia, confesso que no final soltei uma lágrima ou duas de tristeza. Adorei e recomendo!

Thursday, August 6, 2015

Oksa Pollock: a inesperada / Anne Plichota e Cendrine Wolf

Este livro chegou-me às mãos enquanto catalogava. Na capa, reparei no autocolante onde se lê "O Harry Potter francês. The Guardian". É claro que mal o registo tinha acabado de ser criado, e já estava o exemplar a ser emprestado na minha ficha!
Aos 13 anos, Oksa Pollock descobre que tem poderes especiais. A partir daí, toma conhecimento das origens nada convencionais da sua famíla, ligadas a Edéfia, "um mundo invisível oculto algures no planeta terra", do qual foi obrigada a fugir depois de instalado "o grande caos". Em Oksa reside a esperança de regresso a casa dos exilados de Edéfia, assombrada por Oxcius, que deseja não só dominar Edéfia como também o mundo.
Mas vamos agora à minha opinião (porque odeio descrições demasiado pormenorizadas que estragam a surpresa). Temos os clássicos universo paralelo / inimigo mortal e, embora me tenha irritado com a fénix (que diabos, arranjem-me outro animal mitológico que este já está mais do que esmiuçado), e tenha achado que era completamente inverosímil que a rapariga se deixasse ficar sozinha numa sala com o vilão quando podia claramente pisgar-se, a leitura foi agradável, tendo até por duas vezes deixado passar a paragem onde deveria ter saído por estar tão distraída a ler no autocarro. Gostei especialmente das criaturas de Edéfia, tão queridas, patetas e cómicas que até apetece ter duas ou três em casa.

O problema das sagas é tropeçar nelas quando ainda não estão completas. O primeiro livro foi publicado em Portugal em 2013 e o segundo ainda está por sair. Recorrer à versão original está fora de questão, que o meu francês não dá para tanto. Portanto, das duas, uma: ou compro uma edição inglesa, ou espero pela portuguesa.

É um bom livro para quem gosta do género. Não é nada de extraordinário, mas lê-se bem.

Novo Harry Potter, procura-se!

Já que estamos numa de novas rubricas, inauguro a "Novo Harry Potter, procura-se!". Porque não há nada que me dê mais gosto do que um bom livro de fantasia, mas sobretudo porque ando ressacada desde que terminei o último livro da saga. Foi uma viagem do catano que em nada desiludiu e na qual apreciei a construção do universo que, apesar de imaginário e super fantasioso, sendo absolutamente baseado na nossa realidade, se torna credível ao ponto de acreditarmos que existe. Tenho imensas saudades das personagens e da dinâmica da escrita, com ritmo admirável e pormenores nada chatos a cada página. Quem se limitou a ver os filmes não sabe o que perdeu!

A verdade é que a J. K. Rowling elevou a fasquia da literatura de fantasia a um ponto difícil de alcançar e, diria mesmo, impossível de superar! De qualquer forma, numa clara tentativa de pescar os milhões de fãs em "sofrimento" desde o final da série, várias editoras ousam colocar nas capas dos mais recentes livros do mesmo género frases como "O novo Harry Potter", numa comparação que pode ser mais prejudicial do que benéfica.

Ora, mesmo consciente de que será quase impossível voltar a viver uma experiência semelhante, irei dedicar-me a esta demanda.

Segue dentro de momentos a primeira crítica!